IPB

Bem-vindo, visitante ( Entrar | Registrar )

Perfil
Foto do membro
Avaliação
 
Opções
Opções
Quem sou eu
Kiraly não escreveu sobre ele(a).
Informações pessoais
Kiraly
Categoria Estrela
39 anos
Masculino
Santana de Parnaíba - SP
Nascido em: Fev-19-1977
Interesses
Sem informação
Estatísticas
Cadastrado em: 27-March 08
Visualizações: 2,500*
Última atividade: Hoje, 03:50 PM
Visualizando a index do fórum
Horário local: Jan 23 2017, 05:04 PM
1,207 posts (0 posts por dia)
Contatos
AIM Sem informação
Yahoo Sem informação
ICQ Sem informação
MSN Sem informação
Contact Privado
* As visualizações do perfil são atualizadas de hora em hora

Kiraly

Membros

*****


Tópicos
Posts
Comentários
Amigos
Meu Conteúdo
28 Dec 2016


Cara, como é bom ouvir um cara desse falando em nome do time. Dá pra ver porque fomos campeões nacionais dois anos seguidos.

A parte que ele fala do décimo terceiro é demais. Cutucada forte nos rivais.

Recomendo.
18 Jan 2016
Estou acompanhando de perto tudo o que sai sobre a preparação do Palmeiras para essa temporada de 2016, desde a reapresentação e início dos trabalhos.

Vi todas as entrevistas de apresentação dos reforços e acompanhei as avaliações por diversos veículos da imprensa.

O que posso dizer é que algo está acontecendo. Não tem como não estar confiante no time nesse início. Por que estou dizendo isso?

Em praticamente TODAS as entrevistas (Edu Dracena, Roger, Régis, Moisés, etc.) os jogadores que chegaram foram enfáticos em citar o Mundial no final do ano. O Moisés foi além e disse como o Mattos o abordou, a primeira frase dita a ele: "Está pronto pra ser campeão?"

O Palmeiras iniciou bem o ano passado. Melhor do que esperávamos. Perdeu o Gabriel e rolou ladeira abaixo, criando uma grande desconfiança mas mantendo os resultados na CdB. Aquela final espetacular, onde o time jogou uns dos melhores jogos da temporada e mais o título em si deram uma virada completa no astral.

Isso, aliado à esse trabalho do Mattos torna tudo ainda mais claro de como está a cabeça dos jogadores. O que está dando pra deduzir é que a conquista da Libertadores é nada mais que uma certeza.
Claro, precisa jogar, precisa botar a bola na rede. Mas esse nível de confiança é muito positivo. A postura do elenco nos treinos mostra isso claramente.

Pelas reportagens, tá todo mundo comendo a grama. Todos querem jogar e estão mostrando o trabalho no máximo da performance. Imagine quando estiver em jogo, então.

Ano passado lembrou muito tanto 1992 como 1998.

1992 por ser um ano em que um elenco forte estava sendo montado e se tinha a noção que era apenas o começo do trabalho.
1998 foi muito parecido com a diferença que no meio do ano levamos nossa primeira CdB e no final ainda beliscamos a Mercosul. Em 1999 nem preciso dizer o que aconteceu...

Tem esse tópico aqui sobre o comparativo de times, que está excelente por acaso, mas eu, apesar de sempre ser otimista, tenho ainda uma premonição forte que esse ano a Libertadores é nossa. Pior (ou melhor) ainda. Não será o único título esse ano.

Pode criar a expectativa, palmeirense. E a garganta também. Esse ano vamos gritar muito "É CAMPEÃO".
8 Dec 2014
O Palestra voltou, mas o Palmeiras ainda está em obras

Não se comemora a salvação e apenas o 16º lugar em 20 clubes. Sempre se celebra o Palmeiras campeão do Século XX em qualquer lugar.

Já voltamos ao Palestra. Agora só falta voltar a ser Palmeiras.

Em 21 de abril de 1917, o Internacional paulistano perdeu por 5 a 1 para o Palestra Italia que, pela primeira vez, atuava no Parque Antarctica.

Em 13 de agosto de 1933, o Stadium Palestra Italia ficou pronto. O time da casa goleou o Bangu por 6 a 0. Gabardo anotou o primeiro gol da casa enfim reformada.

Em 7 de setembro de 1964, Ademar Pantera fez o primeiro gol dos 2 a 0 contra a Esportiva de Guaratinguetá, no jogo que marcou a inauguração do Jardim Suspenso do Palestra Italia.

Em 7 de dezembro de 2014, de pênalti, Henrique empatou o jogo contra o Atlético Paranaense. Foi o primeiro gol oficial do Palmeiras no Allianz Parque. Ademir da Guia, também de pênalti, na mesma meta de fundo, havia marcado o primeiro do novo estádio, na festa de despedida do Divino, em jogo de Palmeiras x Palmeiras (o que, no fundo, é sempre assim: somos sempre nossos maiores adversários…).

Oficialmente, o Sport havia inaugurado o telão do estádio, com dois gols, no jogo de estreia, em 19 de novembro. O terceiro gol do Allianz Parque também havia sido de visitante, do zagueiro Ricardo Silva, do Furacão, no segundo jogo, válido pela manutenção do Palmeiras como time de primeira, em 7 de dezembro de 2014.

Henrique fez o dele na sequência, empatando o jogo. Fernando Prass evitou pelo menos uns quatro gols paranaenses. Na segunda etapa, o Palmeiras teve mais chances, mas as perdeu quase sempre de modo bisonho como o time, o pior em 100 anos de Palestra, o mais feio em 97 anos em que o clube joga no campo do Parque Antarctica.

Nunca o Palmeiras perdeu tantos jogos em uma temporada em que termina sofrendo mais gols que marcando. Em que o torcedor sofreu com os pavorosos resultados e o horrendo futebol desde a Copa do Mundo.

Por isso o gol mais celebrado em dois jogos do Allianz Parque foi de um rival, nem foi o histórico de Henrique.

Quando Thiago Ribeiro fez 1 a 0 pro Santos no Barradão, lágrimas de alívio escorreram pelo estádio – e pelo estúdio do Fox Sports.

Nunca se celebrou tanto um gol do adversário como aquele do Santos contra o Vitória.

O Palmeiras já havia empatado contra o Atlético Paranaense, jogo terminado dois minutos antes. O empate na Bahia já salvava o Palmeiras, como o empate do Bahia contra o Coritiba (que acabaria vencendo o jogo). Mas o gol do Santos garantia de vez a permanência na primeira divisão. Mais um daqueles tantos gols que no semestre da celebração do centenário alviverde o palmeirense comemorou pelos outros. O Palmeiras em 2014 não foi refém do centenário. Ficou em cativeiro celebrando numa quarta-feira gol da Chapecoense e, no domingo, do Figueirense. Uma rodada o Palmeiras era Corinthians. Na outra, Fluminense.

Quando não foi mesmo Criciúma, Botafogo, Vitória e Bahia, times que conseguiram a inefável proeza de serem mais falíveis e tecnicamente falidos que o Palmeiras de 2014.

Torcer para esse Palmeiras jogar futebol, fazer gols, não os tomar, não era martírio. Era impossível.

Os poucos gols marcados pelo time no segundo semestre de 2014 causaram mais espanto que felicidade, mais alívio que alegria. Parecia um milagre a bola entrar no retângulo branco do outro lado da meta alviverde.

Parecia destino o Palmeiras tomar um gol desde a Copa do Mundo. Não era “gol da Alemanha” da piada. Era “gol contra o Palmeiras” na tragédia anunciada.

Qualquer tiro de meta de adversário era perigo para os times de Gareca e Dorival Júnior, passageiros nessa agonia. Contra o Cruzeiro, em BH, o belo gol de Cristaldo foi um achado. O gol de empate de Dagoberto no finalzinho do jogo nem doeu tanto. Era esperado, mais que esperneado.

Doeu o chute pra fora de Danilo que bateu em Juninho e empatou o Dérbi no Pacaembu, no finalzinho do jogo seguinte. Mas era outro lance que se esperava no Palmeiras. Não sei como, mas vamos tomar um gol. Era a sensação pelo mau futebol jogado, treinado, organizado, planejado.

Era assim. Foi assim em 2014.

E sem contar os últimos tantos anos desde a primeira queda, em 2002. Ou antes da Parmalat, em 1992.

Os bons e maus velhinhos do conselho palmeirense têm razão quando dizem que, se agora tudo dá errado no Palestra, eles fizeram tudo certinho para o time que tanto venceu desde 1920. Mas que parece perdido em algum buraco verde do espaço e do tempo.

Não sei se é sapo enterrado nas catacumbas da galeria de esgoto de Perdizes ou sapo-boi muito vivo nas galerias de troféus da Turiaçu. Mas tem algo de podre e de pobre no reino da Água Branca e verde.

A receita diminuiu e a dívida aumentou na gestão de Paulo Nobre. A economia, os negócios do futebol e a Copa levaram a essas contas. Mas o cofre está menos vazio também pelo que a pessoa física do presidente injetou nas faturas que não fechavam das outras administrações: das que tentaram e foram infelizes gastando muito (Belluzzo) àquelas que gastaram ainda mais para conquistar ainda menos (Tirone).

Vai ter mais dinheiro para 2015. Ainda que com novas dívidas (com menores e melhores juros) tenham sido contraídas com o próprio presidente reeleito. O que não é bom. Apesar do prazo de pagamento mais longo.

Nobre errou ao contratar 37 jogadores e ter um time (sic) ainda pior que aquele que ele recebeu rebaixado. Havia como entender a negociação de Barcos – mas não tolerar os quatro nomes que vieram, e um que não veio. Não há como compreender a perda de Alan Kardec para o rival do modo como foi. Tinha até de vender Henrique pelo que foi pago – mas justo em ano de Copa, meses antes de ele ser valorizado como jogador de Seleção, como aconteceu com Pedrinho, lateral vendido ao Vasco, em 1982, meses antes do Mundial da Espanha?

Não tinha como pagar tanto por tão pouco futebol de tantos nomes contratados. E muitos deles que jamais poderiam chegar nem perto do Palmeiras centenário – ou apenas serem titulares pelo futebolixo apresentado pelo Palmeiras no ano do centenário.

Não tinha como ficar sem marketing e diretor no centenário. Não tinha como pedir o que foi pedido pelo patrocinador master. Não tinha como Brunoro errar o que errou. Não tinha, como Mustafá, achar tantas vezes que investimento é gasto. Não tinha como gastar muito mais do que tinha, como Belluzzo. Não tinha como deixar o time com veteranos além de rodados ou moleques ainda muito verdes – e não na melhor acepção. Não tinha como lançar tantas camisas do centenário e ninguém com qualidade para vesti-las.

E também não tinha como jogar tão pesado na reeleição? Não tinha como a oposição lançar um candidato de melhor nível à presidência?

Tinha de brigar tanto com os maiores parceiros que o clube tem agora, como W/Torre e Allianz? Ainda que tenha algumas razões, não é motivo para levar a questão com tanta emoção e personalismo para a arbitragem.

Conheço Paulo Nobre há 17 anos. É meu amigo. Já me ajudou muito como amigo e como palmeirense. Do filme que acabei de lançar em DVD é dos maiores entusiastas, ajudando muito na produção – mesmo antes de ser candidato à presidência.

Foi Paulo Nobre quem ajudou a celebrizar a frase famosa do meu pai a respeito da nossa paixão em comum, escrevendo-a no vestiário antigo do Palestra, em 2008. Frase proferida pelo meu pai justamente na apresentação do acerto entre Palmeiras e W/Torre…

O Palmeiras está acima de nós e das amizades. O presidente não pode ter muitos amigos e nem muitos inimigos. Ele defende além da conta os que gosta, e detona além das faturas quem não gosta. Também nisso pode e deve melhorar no segundo mandato.

Para evitar que se reveja no Palmeiras o pior futebol que vi em 42 anos de estádios e estúdios.

- Uma vergonha!

Disse bem Valdivia. Um que foi vendido, não foi mais, foi pra Disney e, quando conseguiu jogar, foi o que se espera um camisa 10 de um time ruim. E foi ainda mais quando jogou infiltrado, com proteção na perna, e com uma raça nunca antes vista nele, na última partida do campeonato.

Pena que Valdivia não conseguiu fazer com que Wesley, aquele contratado pela vaquinha que foi pro brejo, tivesse um mínimo de vontade. Uma pena. Um jogador que pode ser volante, pode ser meia, pode ser atacante, pode ser lateral, e, em 2014, nada pôde.

Mais ou menos como o time. O trabalho da diretoria. Tudo. Ou o nada que foi esse centenário.

Que venham os próximos 100 anos.

Depois da reforma do Palestra, é preciso reformar o Palmeiras.



Assino cada palava. Pra variar um texto inspiradíssimo do Mauro.

A esperança é o que nos move. Vamos ver se em 2015 deixamos de ser o eterno "time do ano que vem".
7 Aug 2013
Ontem, com o final da 13a rodada do pesadelo da série B (obrigado, Tirone), completamos um terço das longas 38 rodadas totais desse campeonato infernal. Estamos na ponta da tabela com 31 pontos ganhos em 10 vitórias, 1 empate e 2 derrotas.
Sabendo que temos que fazer 64 pontos (estimado) para garantir a volta ao nosso lugar de direito (ano passado o próprio São Caetano não subiu com 62), podemos considerar que alcançamos praticamente a metade dos pontos necessários para voltar a respirar aliviados.
Sabendo que temos pela frente ainda:

Paraná em casa
Joinville fora
Payssandu em casa
Boa Esporte fora
Ceará fora
Chapecoense em casa

Para terminar o turno, dá pra projetar um ritmo semelhante ao que seguimos até agora, com a proporção de três vitórias a cada empate/derrota.

Isso nos projeta alcançar matematicamente a volta com ainda 1/3 do campeonato faltando pra acabar. Provavelmente, então, na rodada 26. Isso acontecerá em começo de outubro. Passando pelo ventinho na Copa do Brasil, poderemos colocar na série B o sub-15 pra jogar, porque já estaremos classificados, podendo focar COMPLETAMENTE nas fases finais do campeonato que garantirá uma participação na Libertadores do ano do centenário.

Mesmo porque eu não faço questão nenhuma de ser bi desse campeonato infernal (obrigado de novo, Tirone). Então é até bom garantir o acesso e deixar o Chapecoense levantar alguma taça que, pra eles, é importante.
6 Mar 2013
Saiu no drop's do 3VV de hoje de manhã:

Nobre e a nobreza da atitude

Opa íamos esquecendo e o patrão quase come o fígado do estagiário.

Passou despercebido para muitos. Mas o secretário da reunião de eleição do Presidente do CD na última reunião do Conselho Deliberativo foi Renato Recchi, conselheiro atualmente ligado a um grupo político que não pertence à aliança do Presidente.

O mesmo Renato que dias antes tinha dado uma declaração um tanto agressiva no Lance dizendo que faria uma cobrança dura ao Presidente Paulo Nobre sobre a tal negociação do Barcos.

Pouco antes da reunião do CD começar, Paulo Nobre convidou Renato para secretariar a reunião, mostrando grandeza e principalmente não guardar rancor ou mágoa por críticas que saem nos veículos.

Parabéns ao Presidente pela atitude.


E parabéns ao 3VV que vinha fazendo uma oposição com rescaldos de despeito por ter perdido a eleição.

Isso só mostra como atitudes de conciliação podem criar um clima diferente e benéfico para todos. Principalmente para o Palmeiras.

Se conseguirmos acabar com essa guerra política lá dentro, voltaremos a ser o maior time do país, não só no passado, mas no presente também.
Últimos visitantes


19 May 2016 - 10:19


14 Mar 2016 - 16:38


18 Jan 2016 - 10:59


8 Jan 2016 - 23:43


25 Nov 2015 - 14:37

Comentários
Outros usuários não deixaram comentários para Kiraly.

Amigos
Não há amigos para mostrar.
 
Versão Simples Horário: 23rd January 2017 - 04:04 PM
Fórum Palmeiras Todo Dia - Design by: IPB Skin & Free Proxy