marsan.marco

Membro
  • Total de itens

    479
  • Registro em

  • Última visita

Sobre marsan.marco

  • Rank
    Categoria Profissional
  • Data de Nascimento 03-12-1966

Contact Methods

  • Website URL
    http://

Profile Information

  • Gênero
    Male
  • Localização
    Jundiaí/SP
  • Interesses
    Palmeiras, esportes em geral, ciência e ficção científica, teologia...

Últimos Visitantes

2.280 visualizações
  1. O gol do América foi absolutamente legal. DB dava condições ao jogador que fez a assistência, com bastante folga (não foi sequer lance de "mesma linha"). O que fez o gol estava atrás da linha da bola no momento do passe, também com bastante folga. Portanto, não houve impedimento. Quando ao lance do pênalti no LL, nenhuma dúvida. Não marcou porque era a nosso favor. Se fosse contra, não haveria nenhuma hesitação.
  2. Algo que achei tristemente sintomático ontem: em várias cobranças de laterais, DB e MR dando broncas no time porque ninguém se mexia para receber a bola. Todo mundo escondido. Em cobrança de lateral! Outra coisa que percebi: em vários lances de bola recuperada ou de laterais em nosso favor, alguns jogadores simplesmente viravam de costas para a jogada e saiam trotando para o outro lado, ao invés de oferecerem alternativa para a construção de jogadas. Estranho, muito estranho...
  3. Foram poucos, mas me lembro de pelo menos dois: Um do LL acho que logo na sua estreia, num rebote do Borja. Outro do BH na segunda semi-final, contra o Santos.
  4. É isso! Por isso afirmei que não se pode sentar em cima da sorte de ter vencido jogando mal. É preciso aproveitar a oportunidade e corrigir as falhas para evoluir. É que não é fácil evoluir. Existem alguns "vícios" (de movimentação, de posicionamento, etc) cuja correção não se assimila de um dia para outro. Como em qualquer outra esfera de atuação. Eu que jogo tênis (beeemmm amador) sei disso e por isso usei como exemplo. Estou literalmente careca de saber que "tem que abaixar a cabeça da raquete", "não apertar o cabo", "não bater caindo para trás", etc. Mas estou volta e meia cometendo esses e outros erros. E olha que jogo há anos. Só com insistência e persistência mesmo. Há coisas que o corpo faz naturalmente sem percebermos. Como não acompanho os treinamentos não posso saber se as falhas do time estão sendo trabalhadas adequadamente. Às vezes tiramos conclusões a partir de aparências. A realidade pode ser diferente.
  5. Não é possível comparar diretamente futebol com tênis. A começar pelo fato de que tênis é individual e futebol é coletivo. Mas há um conceito do tênis que pode ser aplicado ao futebol com muita propriedade. Não é sempre que um jogador está numa boa jornada. Há dias em que o braço está descalibrado, que não consegue sentir bem a bola. Enfim, há partidas ou fases em que o jogo não flui. Mesmo nessas situações, os melhores jogadores conseguem, às vezes, vencer a si mesmos e ao adversário. Muitas vezes vencer jogando mal é mais importante do que vencer jogando bem. É claro que o ideal é sempre jogar bem, mas isso não é possível na prática porque não somos máquinas. Vencer jogando mal é importante porque melhora a confiança e mostra que se, mesmo jogando mal você consegue vencer, então no dia em que jogar bem será uma barreira quase intransponível para o adversário. Se o jogador não sentar em cima da "sorte" de ter vencido jogando mal e buscar a correção das suas falhas, terá uma ótima oportunidade de evoluir seu jogo. Dito isso, concluo que vencer jogando mal é muito bom! E isso vale tanto para o tênis quanto para o futebol.
  6. Veja, concordo que que Roger falhou ao não tentar mudar o jeito de jogar contra eles, mesmo sabendo que das outras vezes não havia dado certo. Mas esse raciocínio pode conter uma armadilha. Em 2016 jogamos três vezes contra eles e vencemos todas. Isso significa que nossas vitórias não foram mérito nosso, mas apenas "burrice" do outro lado, que não aprendeu com os erros? Entendo que, da mesma forma como deveríamos entrar "mordidos" por conta dos acontecimentos da final do paulista, os adversários da mesma forma tinham motivos para tanto, pois segundo o nosso lado, eles só venceram porque tiveram ajuda externa. Isso também foi motivador para eles. Enfim, acho que toda a análise tem que ser mais profunda pois nenhum time joga sozinho. Os jogadores são humanos. Se eles são nosso maior rival, nós somos os deles. Se nós queríamos "passar o trator" para apagar a final do paulista, eles também queriam para confirmar aquele resultado. PS.: Desculpem, o assunto avançou e acho que esta mensagem ficou fora do contexto.
  7. Se esse é o melhor trio de arbitragem do Paraguai, que vai representá-los na copa do mundo, tento imaginar os outros... mas não consigo...
  8. A falha do zagueiro no gol de empate foi mesmo ridícula. O que dá para relevar é que muitos jogadores desse time acabaram de sair do sub-17. O adversário é bem mais maduro, dava para ver a diferença no porte físico.
  9. Eu trabalho todos os dias com dezenas deles e te afirmo COM CERTEZA que a maioria deles não são o que você imagina. Não julgue a maioria pelas maçãs podres, que existem em todos os lugares.
  10. Aí não né? Sou servidor público e não sou nada disso que você escreveu. Sei que a cabeça estava quente, então relevo. Mas cuidado com o preconceito.
  11. Isso. Igual ao William na partida anterior. Quantas chances William perdeu de forma também bizarra antes de conseguir acertar uma?
  12. Então, era só combinar e os envolvidos apagarem a conversa no chat, e pronto. Está "provado" que não teve conversa nenhuma! Façam-me o favor!
  13. E outra, a "informação externa" não precisa ter vindo por ligação ou WhatsApp. Os indivíduos poderiam estar acompanhando a partida pela TV no celular ou acompanhando algum site com informações em tempo real. Puxa, será que são tão ingênuos assim? Ou acreditam que somos imbecis?