Wiiron

Membro
  • Total de itens

    198
  • Registro em

  • Última visita

Sobre Wiiron

  • Rank
    Categoria Junior

Profile Information

  • Gênero
    Male
  • Localização
    São Paulo, SP

Últimos Visitantes

877 visualizações
  1. Palmeiras libera novos setores do Allianz Parque para treino aberto. A alta procura por ingressos para o treino aberto deste sábado, marcado para as 10h (de Brasília), obrigou o Palmeiras a alterar o planejamento original. Se apenas o anel inferior do Allianz Parque seria aberto para receber o público a um dia da final do Campeonato Paulista, agora o clube se comprometeu a abrir toda a arena para receber torcedores no último trabalho do técnico Roger Machado antes do duelo contra a gambazada. O clube alviverde anunciou no início da tarde que as cadeiras superiores estão liberadas para o treino deste sábado. A troca de 1kg de alimento por um ingresso para esta nova carga tem início a partir das 14h (de Brasília), na Rua Padre Antônio Tomás, 220 Na última quinta-feira, uma enorme fila se formou no entorno do Allianz Parque para a troca de ingressos. O Palmeiras, a princípio, limitaria o acesso do público para a atividade, mas decidiu liberar todo o estádio pela "alta demanda". Fonte:UOL ========================== Pqp! Vamos lotar o estádio até no treino! O que dizer de uma torcida dessas?
  2. Como já dizia o saudoso Umberto Eco: "As redes sociais deram voz a legião de imbecis".
  3. O jogo foi fácil pq nós deixamos o jogo fácil. O time JOGOU MUITO. Partidaça da coletividade. Merecia uma melhor sorte nas finalizações e um placar um pouco maior para fechar com chave de ouro.
  4. Todos foram muito bem. Moisés errou (principalmente no primeiro tempo) algumas coisas que em 2016 não erraria, mas por pura falta de ritmo de jogo. Mas tem que jogar, só vai conseguir voltar a ser o "Moidez" se jogar mais vezes.
  5. Como já diziam os escoteiros: "Sempre alerta"! Ganhamos algumas batalhas, mas essa guerra está longe de acabar. A RGT é um câncer no Brasil em termos de manipulação de informações e conteúdo. Pelo seu tamanho e alcance (além da alienação de grande parte do povo, causada em grande parte pela própria) é um gigante difícil de derrubar. Não vai admitir derrota, nem rever seus planos. Se um dia fraquejarmos, ela crescerá em cima de nós. A SEP precisa fortalecer sua filosofia de profissionalismo com mudanças no estatuto e maior fortalecimento do AVANTI. Somos o clube que está tentando quebrar o sistema, de forma honesta e sem clientelismo, e só conseguiremos continuar com a caminhada se nos fortalecermos ainda mais.
  6. No Estadão, hoje, o Mauro Cezar Pereira tá se derretendo para o Borjão da Massa: O verdadeiro 9 Com gol de seu centroavante, Palmeiras bateu Corinthians, que sofre por não ter um 9 O Estado de S.Paulo 02 Abril 2018 | 04h00 O Palmeiras está a 90 minutos do título paulista após uma década, o que se concretizará caso não leve gol do Corinthians, domingo, no Allianz Parque. E a vantagem foi construída pelo pé direito de Miguel Ángel Borja Hernández, sábado, em Itaquera. Contudo, o autor do gol isolado do jogo não foi tão comentado, celebrado, lembrado. Após o apito final se falou de tudo. Da boa atuação defensiva palmeirense, da carência ofensiva corintiana, da briga que resultou nas expulsões de Felipe Melo e Clayson, da (desnecessária) interrupção da partida no segundo tempo por causa dos sinalizadores da torcida (única) alvinegra... O goleador colombiano, por sua vez, não teve tantos holofotes. O camisa 9 é um tanto controverso. A começar pelo nome. Falo Borja mesmo, como se escreve, aportuguesado, e não entendo a insistência de tantos em pronunciar a alcunha do artilheiro como se estivéssemos na Colômbia. É uma prolação maluca, de onde saem coisas como “Bór-rra”, “Bóra” e “Bórra”, o que só confunde e não se aproxima da forma como a proferem em seu país. Os US$ 10 milhões pagos pelo Palmeiras para tirá-lo do Atlético Nacional de Medellín, onde conquistou a Libertadores de 2016, impuseram uma expectativa monstruosa sobre seu desempenho. Tímido, o atleta nascido em Tierralta, pequena cidade da província de Córdoba, custou a engrenar. Só quando chegou perceberam que não era participativo como Jesus. Cuca, o técnico de então, deixava claro que o estilo do colombiano não enchia seus olhos. Queria outro homem para a posição, pois Borja não parecia capaz de desempenhar algumas funções sem a bola. O treinador sentia saudades do atacante da seleção brasileira, que zarpara rumo ao Manchester City. Jogos sem marcar conduziram o estrangeiro ao banco de reservas.INAR Chamado para defender a Colômbia, desfalcou o Palmeiras nos três cotejos anteriores. Na volta, acabou com a série de quatro derrotas consecutivas no clássico. Só por isso, um gol marcante, com chance de se tornar ainda maior, caso se transforme no do título. Tento de um típico “9”, que se projetou no espaço vazio dando opção para o cruzamento certeiro de Willian. Sábado, Borja foi participativo se comparamos com seu início de trajetória no futebol brasileiro. Embora tenha dado apenas cinco passes nos 45 minutos em que esteve na cancha, conseguiu dois desarmes e cometeu uma falta, o que evidencia a atitude quando a pelota não estava com seu time. Mais importante do que isso: fez o que dele se espera, executou sua missão com o gol da vitória de Itaquera. Foi substituído por Moisés após o intervalo devido à expulsão de Felipe Melo. Talvez por isso não tenha sido tão lembrado. Claro que estão desaparecendo as chances para comandantes de ataque à antiga, que praticamente esperavam a bola na área sem executar qualquer outra tarefa. Por isso Borja parece empenhado em se aprimorar sob a batuta de Roger Machado. Foi às redes pela sétima vez o artilheiro do Campeonato Paulista. Ele faz um gol a cada 4,7 finalizações, contra 7,8 de Willian e 8,3 de Dudu. Já o santista Gabigol precisou de sete tentativas para marcar no certame e o são-paulino Nenê de 10. O colombiano melhorou no quesito, pois no Paulista de 2017 em média acumulava sete arremates para fazer um tento, e no Brasileirão, 8,5. Do outro lado, o Corinthians, com sua esterilidade ofensiva, sofria justamente por não ter um homem como o “cafetero” em seu insosso ataque, sendo forçado a improvisar com “falsos 9”. Na prática, ter um centroavante foi o diferencial num jogo em que o Palmeiras, cirúrgico, decidiu em um de seus dois arremates no alvo, na única finalização de Borja. Sim, ter um verdadeiro “9” fez a diferença.
  7. Tem que ser muito inocente para não captar a importância que o jogo do dia 08 tem para nós em termos de resposta ao investimento e a expectativa criada sobre o time, inclusive podendo causar reflexos para o restante da temporada, tanto pra nós (vide o paulista vencido pelos gambás ano passado, que deu à raça inferior confiança para disputar e ganhar o BR/17) como pra eles também. Campeonato estadual (qualquer que seja) está longe de ser uma das principais competições do calendário para qualquer clube grande, mas o jogo de domingo passou a representar muita coisa e a ter um peso maior do que um simples "paulistinha". Por mim não só os reservas vão a campo amanhã, como a preparação dos titulares para domingo começa HOJE!
  8. → ONTEM "Não quero mais saber da Adidas, elas nos tripudiou, nos preteriu aos mulambos, péssima distribuição etc etc etc... só vou comprar camisa em 2019 com a Puma por causa dos Royalties, vou ajudar diretamente o Parmera etc etc etc" → HOJE, LANÇAMENTO DA NOVA CAMISA: "Ok, vou comprar só mais essa ein"
  9. E o que tem a ver a arrecadação financeira do Palmeiras em jogos oficiais com arrecadar alimentos para doação em um treino?
  10. São inúmeros argumentos pra não gostar dela, basta escolher um e fazer coro
  11. Curioso, nunca vi uma declaração tipo: "estamos jogando contra a maior dívida fiscal no futebol do Brasil mas precisamos respeitar o adversário"; ou "A gente sabe da quantidade de dívidas trabalhistas que nosso adversário tem, mas vamos entrar focados na vitória" Cabe aos nossos jogadores se blindarem com relação a isso. Para tanto, basta ter um pouco de maturidade e visão da realidade que nosso clube vive e dos méritos que teve pra chegar até aqui. O resto é ti-ti-ti. Enquanto os cães ladram, a caravana passa.
  12. Já li isso em vários lugares, mas não faz nenhum sentido pra mim. Não consigo ver o Nobre fazendo uma exigência assim. Primeiro pq o forte do Nobre nunca foi futebol, e sim gestão. Segundo pq essa "venda casada" não faz o perfil do PN. Terceiro pq ninguém comentava sobre isso (não que eu me lembre) no final do mandato do nobre. Quarto: Pq o PN faria tanta questão desse cargo? Para não correr o risco de perder a profissionalização? Mas os vices que ele deixou + Galliote são tão pouco confiáveis assim? Só acredito nisso se o próprio nobre disser algum dia que tinha sim esse interesse. Um agravante: é estranho como a imprensa coloca essa questão; dá a entender que essa pendência foi crucial para a não continuação do Nobre no grupo do Galliote; isso só piora a coerência da informação.
  13. Como assim "Tópico desnecessário"? É crime discutir titularidade de um jogador da SEP? Umas 4 ou 5 pessoas concordam com a opinião do autor do tópico, portanto tem gente para discutir o assunto, o tópico é válido. Dito isso, não concordo com o autor do tópico. Borjão conseguiu a titularidade por méritos e com ela alcançou a artilharia do campeonato. Tem os seus defeitos em campo, mas os frutos das suas qualidades (presença de área, posicionamento e "estrela") estão aí gritando. Tanto é que continua sendo convocado para a seleção.
  14. Acho que o tamanho do símbolo está bom. A estrela poderia ser um pouco menor.... na verdade a estrela poderia não estar ali =/
  15. Camisa linda. A simplicidade faz a lindeza!