BMarinho

Membro
  • Total de itens

    650
  • Registro em

  • Última visita

Sobre BMarinho

  • Rank
    Categoria Craque
  • Data de Nascimento 23-12-1985

Profile Information

  • Gênero
    Male
  • Localização
    Barueri

Últimos Visitantes

460 visualizações
  1. https://www1.folha.uol.com.br/fsp/esporte/fk2509201017.htm https://veja.abril.com.br/placar/vazamento-de-audio-de-vanderlei-luxemburgo-gera-crise-no-sport/ Luxa no Atlético e no Sport, esse vazamento do Sport não foi lá por acaso. e o próprio Felipão explicando o que sempre se falou nessa passagem dele pelo Grêmio: http://globoesporte.globo.com/rs/futebol/times/gremio/noticia/2015/05/felipao-confirma-que-pediu-para-sair-admite-debito-e-ve-gremio-dividido.html diretoria, grupo, ele mesmo explicando e que segundo alguns torcedores e especialistas do Grêmio dizem explodiu depois desse esposório patético aqui: https://www.torcedores.com/noticias/2015/02/crise-no-gremio-revolta-felipao-presidente-pede-mais-raca
  2. Pra mim Tongue o Luxa nesses ultimos trabalhos tem mostrado que algumas dessas raposas velhas, literalmente pararam no tempo e não conseguem lidar muito bem com uma geração de jogadores que assim como o resto da sociedade, ficou mais chorão, melindrada por qualquer coisa banal, cheia de não me toque não me rele, que reclama, reclama e só reclama, e se acha o centro do universo, se antes eles lidavam com jogadores de caratér mais forte e domavam esses caras, ao mesmo tempo também tinham em mão jogadores com um força mental maior para encarar adversidades. Os audios vazados do Luxa no Sport e todo o ambiente confuso que ele mesmo ajudcou a criar no dia a dia, pra mim são sinais bem claros que é preciso uma adaptação de todos os lados. Felipão que é um monstro de técnico em termos de motivação e fez isso muito bem não só aqui mas também na seleção Portuguesa, foi atropelado com sua seleção brasileira de chorões na copa, no Grêmio teve uma série de problemas de grupo/convivência além de táticos e técnicos, e mesmo no Chelsea as práticas de familia dele duraram muito pouco.
  3. Concordo com genero numero e "degrau" no que se refere ao Abelão. Nunca me pareceu e ainda hoje não me parece um cara que evolua um time, que tenha capacidade tática de modificar jogos e fazer algo relevante no nosso time, a carreira do Abel merece sim todo respeito, mas sinceramente eu não gostaria de o ver aqui não, que vá pra onde quiser e seja feliz. Parece que hoje se criou uma disputa : velha guarda x estudiosos modernos, quando na verdade o que importa mesmo é a capacidade do treinador, independente se é novo ou velho, gosta de motivar ou prefere estudar, Roger não está fazendo um trabalho bom no geral, ainda existem inumeros pontos que o time em campo parece um time amador, mas na minima oscilação, já surge as coisas do tipo: precisa é de um treinador com capacidade de gritar com o elenco, colocar esses caras na linha, etc, sinceramente não vejo o menor cabimento nisso, pra mim se o Roger cair, o que o Palmeiras tem que ir atrás é de um treinador que tenha capcidade de colocar uma idéia de jogo condizente com o que tem nas mãos, saiba utilizar as caracteristicas de elenco que tem, e monte um time que não parreça um time de escola de bairro jogando(algo que o Roger não tem feito, e que o Abel não me parece o mais indicado a fazer....).
  4. Dificil, ontem o time e o Roger pecaram por não saber controlar o jogo, e controlar não trocando passe inutil e rezando a Deus pro jogo acabar, mas controlando o ímpeto do Ceará, tava claro que perdendo em casa e no desespero, o time deles ia vir com tudo pra cima, numa situação dessas ou você se fecha pra aguentar firme e com contra ataque muito bem planejado para matar o jogo, como foi feito na bombonera, ou sobe as linhas mantém a posse com concentraçao e girando o jogo de uma lado para o outro e "irritando o time que precisa atacar mas não tem a bola," nosso time ontem se perdeu quando o Ceará passou a atacar loucamente, e mais que isso, ficou num meio termo entre trocar passes inuteis e acelerar o jogo, no fim tomamos o gol e bateu o desespero. Isso é mais um ponto que o Roger precisa evoluir no time, situações como a de ontem jogam uma pressão absurda pra cima do time e dele desnecessariamente, vencendo por 2 x 0 e levar o empate do jeito que foi, é realmente pedir pra viver mais uma semana dentro de um "inferno" de pressão.
  5. Isso(a questão de influência externa e interna da Crefisa no dia a dia do clube) é uma coisa que no meu achismo também, sempre ficou muito forte a impressão que tem coisa fora do lugar ai.. Alguns podem achar que é só saudosismo, ou seja lá o que for, mas me parece que nos tempos do Nobre, a preocupação e o orgulho era ser Palmeirense, era ter o clube forte, era realmente um ambiente e clima diferente em todos os sentidos, Mattos era o cara pra ir na televisão falar do Palmeiras e fora ele só o presidente, Avanti incentivado o máximo possível, ambiente sempre blindado, contratações também, etc. Nada contra a Crefisa, que eles invistam muito no time, e sejam um grande patrocinador cada dia mais, mas que sejam apenas e tão somente isso, patrocinadores, hoje o ambiente do clube no geral me parece muito estranho, e acho que o Cuca foi realmente o sinal mais claro disso. Pode ser só achismo meu, seu @Bauer, mas cada dia mais eu acredito menos que seja realmente só achismo.
  6. Vejo exatamente assim também, o sistema em si continua o mesmo, a diferença é que de um lado hoje temos o Dudu sendo mais efetivo correndo com a bola dominada e abrindo espaço o tempo todo, e do outro temos o Hyoran que ao invés de fazer a mesma coisa, prefere cadenciar um pouco mais o jogo, cortar pra dentro e dar passes, acho esse um equilibrio muito melhor do que ter dois corredores pelos lados e apostar neles(nessa corrida enterna) o tempo todo. Nosso time ainda marca bem mas bem mal, coletivamente falando nosso time é bem bagunçado no momento que perde a bola, parece meio descoordenado no sentido de uns irem pra pressão mas a zaga permanecer enfiada lá atrás, etc, nosso maior dificuldade não é nem tanto contra times como o Grêmio que dão espaço para jogar, mas sim contra aqueles estilo Chape e gambás que abrem mão do jogo/bola, se fecham e jogam por uma bola, nesses jogos ainda precisamos nos ajustar, muito.
  7. Esse ultimo jogaço contra o Grêmio, o Felipe Melo me assustou em termos de marcação ele sabe se posicionar, tem uma boa leitura de jogo, mas realmente o fisico não ajuda muito, o lance acontecia e por mais que tivesse bem posicionado até chegar na bola era uma eternidade, parecia realmente uma carreta cheia de pedra subindo uma serra. Eu concordo que a capacidade de passe sobretudo longo, poderia nos ajudar em certos momentos, mas o espaço que essa movimentação lenta dele gera, pode nos causar uma série de problemas, sei que o Roger não está sendo muito adepto de mudanças em forma de jogo, sistema, etc, mas se for pra manter o Felipe Melo eu gostaria muito de o ver como um Líbero recuado na defesa, põe dois zagueiros mais explosão do lado dele, e deixa ele pelo centro para cobrir e sair com a bola,acredito que seria uma baita forma de aproveitar o que de melhor ele tem que é o passe e posicionamento, e ao mesmo tempo reduzir o impacto que os pontos falhos dele podem nos causar.
  8. Pra mim esse 4-3-3 não encaixa, eu nem me prendo muito ao sistema em si porque isso tende a variar(o que não tem acontecido conosco) durante o jogo, e concordo muito que o número em si(4-4-2,4-3-3,4-5-1), tenderia a não fazer tanta diferença assim se o tivessemos um modelo condizente com nossa realidade, algo que no momento não é nem que está torto, ele simplesmente não existe. Para um time que tem modelo, idéia de jogo, tanto faz 4-1-4-1, 4-5-1, ou qualquer um que seja, dessa organização inicial surgem rotinas de movimentos que vão colocar a idéia de jogo pra funcionar, o sistema é só um instrumento, o Real Madrid é um grande exemplo disso, e não é questão de qualidade técnica, o ponto aqui não é a qualidade técnica individual, isso vai fazer o que aconteceu ontem: um lance um resolve o jogo, mas o que vem antes disso é que pode e deve ser replicado, a organização, o Real entra em campo sabendo como joga, o que quer fazer com e sem a bola, e como impor seu jogo de maneira que o adversário faça exatamente aquilo que ele precisa para que a individualidade que sobra no time deles, apareça. Aqui, nós temos 11 jogadores em campo desconexos, sem idéia de jogo nenhuma, tentando fazer da individualidade a principal arma do time, só que sem nenhum tipo de organização, apenas correria e tabela de churrasco: 1 aparece por acaso, o outro toca a bola e esse que recebeu sai correndo com ela.... Apenas como exemplo 4-3-3 do jeito estático que temos, siginifica dentre outras coisas maiores, que o lateral vai ficar descoberto, ou se o meio resolver cobrir eles, vai sobrar espaço pelo meio, é tipo um cobertor curto, ou cobre a cabeça ou cobre os pés, se o "ponta" tem que tem que voltar para ajudar a fechar o espaço, mas o time coletivamente tá com aproximadamente 450 metros de distância entre defesa, meio e ataque, o cara vai ficar correndo que nem uma barata tonta, e a probabilidade de ele ser efetivo na função ofensiva dele é certamente bem inferior a probabilidade dele cansar e perder capacidade de perfomance, se o time quer defender e contra atacar com a "profundidade" que o Roger citou, uma que deveria desde o primeiro minuto abrir mão da bola e reduzir o campo o máximo no nosso próprio campo defensivo, reduzir espaço de marcação e raio de atuação de todos os jogadores, a profundidade vem dos espaços que naturalmente o adversário teria que abrir para atacar, só que aí caímos numa situação que tem ocorrido frequentemente, qual adversário que nos ataca? tirando o Cheirinho que acha que é grande, nenhum adversário a muito tempo nos dá espaço, todos se fecham, nos dão campo e "tiram"essa tão desejada profundidade que teoricamente o Roger deseja, temos um problema bem grave entre realidade e desejo, nosso modelo desejado, não condiz com a realidade que se apresenta diante de nós. Cuca quando montou aquele time da profundidade, se adapatou a realidade, os primeiro minutos eram de pura pressão, e martelada constante até fazer um gol, depois que o gol vinha, era campo pequeno atrás time fechado e bola esticada pra Gabriel Jesus, Dudu e afins, mas antes, precisava criar condiçoes pra isso, a pressão dos primeiros minutos era jsutamente pra isso, ele mesmo quando voltou deu declaração que o jogo tinha mudado de um ano pro outro e os adversário já não caiam mais nessa armadilha. Temos hoje 2 pontas correria, espalhados em um campo gigante, diante de adversários que se fecham e tentam justamente nos forçar a correr com a bola, presa fácil para times compactos e fechados, foi com essa estratégia que os gambás nos venceram nesses jogos, e que nós continuamos jogo a jogo nos apresentando, dando murro em ponta de faca..... um meio de campo lento que não sabe se cobre lateral, se fecha espaço no centro, uma zaga que precisa cobrir duas avenidas pelos lados e por aí vai, e sinceramente não tenho visto nenhum tipo de iniciativa no sentido de mudar isso e se adequar a realidade, isso que mais me deixa triste/preocupado.
  9. Cara, complicado esse cenário que estamos, eu olho esse time em campo, e não vejo idéias, não vejo modelo, não consigo enxergar nada que pelo menos dê sinais que alguma coisa está sendo construída de verdade, e isso lógico passa muito pelo Roger, sem a menor sombra de dúvida, não tem como isentá-lo pela situação ridicula que o time se apresenta em campo, mas vou um pouco mais fundo até pela sequencia de treinadores diferentes que tivemos e nenhum deles foi capaz de mudar o cenário, nem mesmo o Cuca que foi um dos responsáveis no ano anterior por mudar nosso cenário. Pra mim esse elenco se perdeu, temos problemas táticos sim, inumeros, mas pelo visto temos também um enorme problema de grupo, convivência, atitude, comodismo, foco, e tudo mais que qualquer grupo de pessoas precisam juntas ter, para conseguir construir alguma coisa relevante. Tivemos um momento de união forçada com o Cuca naquela campanha de título, e aquela pressão externa toda do cheirinho da mídia, acabou acredito eu unindo o grupo em torno de um objetivo comum que foi atingido, assim como antes a final da copa do Brasil um ano antes contra os Sardinhas em que também um fator externo contribuiu para que as coisas funcionassem. Acho que Mattos e a diretoria de futebol com apoio do presidente, precisam agir e limpar a área, limpar não no sentido necessariamente que existem laranjas prodres no elenco, ou coisa do tipo, mas sim entender que tudo tem um ciclo que se encerrra naturalmente, tudo é transitório, e as coisas precisam ser renovadas, novos ânimos,novas atitudes, novos compromissos, uma forma e atitude diferente em relação as coisas, etc. Ontem depois do jogo vendo aquela atuação patética fiquei muito com essa sensação, até evitei de postar qualquer coisa porque tava bem puto, e depois lendo uma matéria sobre a construção de um time campeão com base no planejamento e meio que essa limpeza de área, acabei passando por esse minuto reflexão que tento expressar aqui. pra quem tiver paciência e curiosidade de ler, a matéria é essa aqui: Triplice coroa PSV e fala sobre a contrução do PSV campeão da europa, que iniciou depois de uma limpeza provocada pelo "problema Gullit".
  10. Essa questão de modelo pra mim é uma das coisas mais complicadas de se ajustar, não acredito nessa idéia de uma maneira de jogar dentro e outra fora de casa, funcionou com o Cuca em um momento, mas mesmo o estilo dele não funcionou num segundo momento, fico sempre na cabeça com uma afirmação do Edmundo que ouvi e concordo muito: aqui no Brasil onde os atletas não tem grande conhecimento tático(ele tentou ser educado e defender a classe, eu prefiro dizer que são preguiçosos e ultra protegidos mesmo, porque esses mesmo pilantras, chegam na europa e como não tem esse mesmo ambiente, tem que ralar a bunda pra conseguir alguma coisa e viram especialistas de uma hora pra outra "magicamente"). Roger falar em perder profundidade com mais jogadores de posse, me parece uma afirmação bem frágil, e isso me decepcionou profundamente com ele, produndidade não depende apenas de tipo de jogadores que você tem em campo, mas da organização que você propõe a eles, Guardiola que o diga isso, e pra não dizer que é algo apenas de um treinador fora dessa galáxia como o Guardiola, Coudet no Racing bem aqui na vizinha Argentina, tem dado show nisso. Modelo pra mim é algo acima de jogo a jogo, é algo que passa pelo objetivo da diretoria na definição do treinador, e esse com sua filosofia, busca atender o modelo esperado, o Roger eu entendo que a diretoria busca(va) um modelo que fosse condizente com um elenco formado por jogadores em sua maioria de boa posse, mas com a frase do "perco profundidade", me parece que a filosofia destoou um pouco do modelo esperado. Se profundidade se trata de ter dois jogadores sempre abertos esprando bola no pé pra correr e tentar "dibrar" todo mundo, isso me parece muito pouco e injustificável.
  11. Pra mim, dentro da nossa estrutura de prossionallismo atual, cabe não só a técnico cobrar atitude de jogador,como principalmente da diretoria de futebol(Mattos, Cícero, e Zé Roberto), esperar que o Felipão, a quem tenho profundo respeito, gratidão e não me importaria de maneira nenhuma que em algum momento volte ao comando do time, desde que mostre capacidade atual para tanto assim como Luxemburgo que vem de trabalhos horripilantes o façam, é negligenciar totalmente o cenário atual de clube e profissionais. Roger merece sim muitas das críticas que vem sofrendo, sem a menor sombra de dúvidas mas não acho que é unico e total responsável por algumas coisas que acontecem, a responsabilidade tem que ser dividida, e se cobramos que ele tenha algumas atitudes "radicais"perante um grupo que bem complicado, ele precisa de respaldo da diretoria, se as coisas não estiverem bem alinhada entre eles, toda a estrutura vai cair e pode ser quem for no comando, não irá mudar as coisas.
  12. Não sei porque mas me soa muito estranho que nesse momento aconteça algo sim justamente a nosso favor, pode siar teoria da conspiração demais, mas lixo de futebol brasileiro eu não duvido nada. Engraçado é o tanto de gambá mergulhado em lama que hoje veio repetir discurso da televisão...: e ai e agora, tá vendo como todo mundo é beneficiado e prejudicado, e bla,bla bla.... Até por esse tipo de coisa, e pra evitar esse tipo de escapatória gambá, que nós mesmos deveriamos solicitar cancelamento desse jogo, ou algo similar, não precisamos nem nunca precisaremos de qualquer benefício vindo desse mar de lama, se realmente houveram erros que prejudicaram alguém, que nós mais uma vez coloquemos a retidão de caráter do nosso clube em primeiro lugar.
  13. Velho é engraçado demais esse desespero dos caras em tentar fechar todas as pontas o mais rápido que der e tentar evitar que o Palmeiras jogue mais lama no ventilador, estão tão desesperados, que enfiaram os pés pelas mãos com o Tribunal de merda desportiva fechando um caso as pressas...... pela urgencia da coisa, a máfia tá tentando evitar que a bata estoure no ladrões grandes que realmente controlam o esquema, legal demais ver o desespero desses imundos, escória que sequer pode ser chamada de humana. Parabéns a atitude do Galiotte, e as ações que tomou depois do assalto a mão armada que sofremos, acharam que mais uma vez iamos aceitar quietos, e apenas como mais um ponto de dúvida no lixo do futebol brasileiro, e dessa vez a máfia entrarou pelo cano, pra cima deles Palmeiras, vamos fazer esses vagabundos pagarem por sua roubalheira.
  14. Sim, eu nem chamo de discussão, acho que esse bate papo é bem legal pra aprofundar nessas questões coletivas,e ajudar a não cair na pilha de imprensa com análise rasa que só quer queimar jogadores, etc, acho muito legal esse nível de discussão com ponto de vista e análises. a falha do Antônio Carlos no lance foi grotesca, não de posicionamento, mas sim gesto técnico e isso ele precisa sim ser cobrado sem dúvida, assim como o Roger pelo coletivo e também o Marcos Rocha por essa falta de noção defensiva pra um lateral tão experiente.
  15. Pra mim Caiser, é total e abosulta responsabilidade do Marcos Rocha, porque não é a bola, é o espaço, o setor dele quando a bola passou e o jogador do Boca junto, era a diagonal defensiva do Antonio Carlos que ele não fez, a bola passou e ele só no trote maroto, desligadão da vida, torcendo pra acontecer alguma coisa, e não precisava nem ser tão rápido assim para chegar pelo menos na cobertura do jogador que chegou com o juiz, era só ele ter se ligado no setor que ele deveria cobrir, e principalmente na coisa mais básica que existe para um defensor, que é diagonal defensiva, questão com Marcos Rocha é que defensivamente ele é muito mas muito fraco, falta a ele principios básicos defensivos, é o estilo lateral peladeiro brasileiro, e não se pode ter desculpa que é caracterisitica de lateral brasileiro, porque no nosso time mesmo o Victor Luiz que é um garoto sabe se posicionar e fazer diagonal muito bem, Diogo Barbosa mesma coisa, tanto que ele mesmo Diogo saiu atrasado mas se ligou na cobertura e quase chegou a interceptar o lance do Tevez. Só pra colocar de maneira visual, nada como os reis da defesa que são italianos, falando de movimento e posicionamento defensivo, Giovanni Masala: Aos 2'20 mais ou menos ele começa a explicar dentro da questão de cobertura defensiva, (diagonal defensiva que os italianos tanto falam e tanto amam), ele começa a explicar de quem é a "responsabilidade de fazer a cobertura caso justamente no exemplo dele, o "terzino destro" no nosso caso a mesma posição do MR, seja superado, não é diretamente do Thiago Martins, nem do Diogo, é do próprio Marcos Rocha no momento que é superado. Não é correr em trote maroto acompanhando o lance e torcendo, é estar com atneção 200% e se ligar que precisa cobrir, se o Antonio Carlos vai falhar, se não vai, se o jogador do boca vai tropeçar na bola e cair, se o juiz vai marcar falta, pouco importa, o jogador tem que cumprir sua função tática dentro de campo, tem que fazer as diagonais de cobertura, tem que se posicionar e estar sempre ligado, só não dá pra fazer jsutamente o que o MR fez.